Professor novato : a recepção da escola.




Está claro que as universidades do nosso país não prepara o professor na sua totalidade para a sala de aula. Os recém-formados saem “crus” de suas licenciaturas e só com o exercício da profissão e com os anos de prática que o mestre consegue alcançar a dimensão necessária para ser um bom educador.


Porém, tão importante quanto a formação é a maneira como esse recém-formado será recebido na escola. Muitas vezes professores mais velhos desqualificam os novatos ou a profissão, desestimulando o novo colega. O recém-formado normalmente chega com o “gás todo”, empolgado com a oportunidade de exercer a profissão pela primeira vez e ouvir termos como “vassoura nova é assim mesmo” ou “quero ver daqui dez anos se você vai estar assim” pode ser desestimulante. Além desse tipo de recepção do professor experiente que também está desacreditado da carreira, e alguns com razão, diga-se de passagem, temos também escolas que simplesmente jogam o professor numa sala de aula informando-lhe apenas sua sala e o ano que deverá lecionar. Não há nenhum esclarecimento sobre as metas da escola, as dificuldades da turma, as normas da escola, e outras. O novato que se vire, ele não é graduado?


Porém, na escola tudo funciona como uma grande engrenagem, se o professor é recebido de qualquer maneira, ele tende, com exceções, obviamente, a levar a escola de qualquer jeito também. A recepção do novato reflete na sua prática, na sua forma de planejar e avaliar e principalmente na sua relação com a comunidade escolar.


A cada inicio de ano se faz necessário uma recepção previamente planejada entre os professores e se possível membros representantes da comunidade escolar, para que descrevam quais foram suas dificuldades e quais as metas alcançadas no ano anterior e assim traçar metas para o ano letivo. Um momento que representa muito mais que uma reunião de professores, significa envolver os educadores, entre eles os novatos na realidade da escola em que estes deverão “vestir a camisa” por uma longa estrada de aproximadamente duzentos dias letivos.
Comparando escola a um time de futebol, ambos precisam trabalhar em equipe para alcançar seus objetivos, porém, um técnico de futebol jamais vai dizer a um novato no time “entra aí e vai jogando”, então porque na escola é diferente? Professores novatos, tanto na profissão quanto os novatos na escola merecem respeito, precisam saber o que a escola espera dele, quais os desafios ele tem pela frente e quais subsídios a escola oferece para que ele possa superá-los.

7 comentários:

Anne Lieri on 26 de janeiro de 2012 10:50 disse...

Edilene,excelente seu texto!Infelizmente isso acontece muito com os novatos,mas eles não podem se deixar abater!Eu me lembro que quando dei aula para o Magistério as moças diziam que eu era a unica professora que falava bem da profissão!Se nós não nos valorizamos,ninguem o fará,não é mesmo?Bjs e parabens pela cronica!

Tunin on 26 de janeiro de 2012 16:33 disse...

Edilene, isso acontece desavergonhadamente nas escolas. Os mais "experientes" menosprezam os novatos como se eles, os experientes, fossem os donos do saber.Olha que estamos num ambiente que se chama educação! Em lugar de educar, deseduca.Eu fico indignado com as ações desses profissionais.
O texto é muito bom!
Abraços.

Toninhobira on 26 de janeiro de 2012 17:50 disse...

Sua reflexão está perfeita Edilene para esta situação critica que vivenciamos na educação.Sim as universidades no Brasil não chegam perto da realidade do mercado e por isso estes "Crus" que voce bem menciona.Então cabe aos experientes este lapidar para produzir.Ainda que hoje temos profissionais desvalorizados nesta area, sonho com uma revoluçã no ensino,que resgate o prazer de ensinar preparar.Belos projetos são jogados nas latas de lixo, por isso esta situação.Falta respeito e vontade politica.Mas não percamos a esperança de ver algo Paulo Freire idealizou.
Boa sua cronica amiga.
Meu abraço de paz e luz.

Jonathan Cruz on 26 de janeiro de 2012 19:08 disse...

Muito bom este texto, quem não se lembra da primeira vez que entrou na sala de aula? Eu lembro muito bem pois foi recente rsrsrs. Seu texto é uma boa opção para primeira reunião pedagógica do ano.

Querida um abraço

Kippy Marrie on 27 de janeiro de 2012 10:41 disse...

Olá Edilene... Fiquei feliz em te ver em meu bloguinho.
eu gosto de bananas e como só de vez enquando e estou aos poucos experimentando algumas. Por enquanto, nada me fez mal, até pq mamis dá só um pouquinho e a veterinária disse se comer pouco, depende da fruta, não vai fazer mal.
Obrigada pela visita.
Ótimo final de semana.
Aus 1000 e Beijos 1000 ...

KIPPY & LILLY

Salles on 28 de janeiro de 2012 22:54 disse...

Olá querida! cheguei atá vc através dos profº virtuais, me escnatei c seu espçao, para voltar mais vezes, estou levando seu link e te seguindo. Quero te convidar a vim conhecer o meu espaço que é nosso. Se gostar, leve meu link e me segue. Adorei te conhecer, espero por vc. beijinhos

Salles on 7 de fevereiro de 2012 10:02 disse...

Oi querida, vim agradecer e retribuir sua visitinha e tbm por me seguir, tbm já te sigo, volte sempre. bjos